É AMOR E PONTO (POESIA)

Emily Braga



Black Queer Goddess Projetc, 2017. Foto: The Divulge Project. Reprodução do site People of Color Productions. Disponível em: https://www.pocproductions.com/black-queer-goddess-project.


Eu poderia escrever mil poesias sobre o amor

Mas ainda sim, não seria o suficiente

Poderia passar uma vida inteira oferecendo ao mundo

As poesias mais belas

O sentimento mais puro

Mas antes preciso honrar

Todo sofrimento e descrever de forma curta

O sangue que foi derramado da maneira mais hipócrita e bruta

Eu ainda sinto a dor das minhas ancestrais

Que foram proibidas de demonstrar afeto

Que tiveram que deixar os próprios sentimentos para trás

Para seguir um novo trajeto.

E em busca do que sentia ser certo

Muitas morreram

Outras foram agredidas

Muitas com medo

Outras oprimidas

Em uma luta diária por direito

Dia após dia a história mudava o seu enredo

Por muito tempo reprimiram o amor

Causaram dor

Julgaram

Queimaram

Nos jogaram na fogueira

Eu ainda sinto

As mãos sendo amarradas

Mas o coração gritando por liberdade

Eu sinto o fogo queimando a pele

As cinzas caindo no chão e sendo levadas pelo vento

E nós ainda sentimos isso todos os dias.

Diante de tudo o que sinto

De todas as minhas vivências em labirintos

Quem é você para me dizer quem amar?

Quem é você para saber o que é o amor?

Quem é você para saber quem eu sou?

O que quero?

Os meus desejos?

Ou até os meus maiores medos.

Quem é você para me dizer o que devo fazer ou seguir?

A sociedade foi manipulada

E sem questionar

Manteram-se em seu lugar

Sem dizer uma só palavra

Faz muito tempo