top of page

SUPRESSÃO VEGETAL DO PORTO SUL LEVA ANIMAIS A SE REFUGIAREM NA JUERANA;

MORADOR FALECEU POR PICADA DE COBRA


Comissão Pastoral da Terra Regional Bahia


As obras do Porto Sul vêm desmatando de forma alarmante as áreas de Mata Atlântica da zona norte de Ilhéus (BA). O processo de supressão vegetal segue avançando, desarmonizando o ecossistema da região. Uma das consequências dessa devastação ambiental é a destruição do habitat natural de diversos animais silvestres, que desabrigados, estão invadindo as comunidades no entorno da obra em busca de refúgio.

Esse panorama já tem consequências fatais. Na última sexta-feira, 1º de julho, Ednaldo Tavares, de 61 anos, morador da Vila Juerana, foi picado por uma cobra que invadiu sua casa, vindo a óbito quatro dias depois. Os moradores relatam que tem sido cada vez mais frequente a entrada de animais silvestres em seus lares, inclusive os peçonhentos. Também têm sido avistados outras espécies, como raposas, tatus, tamanduás, saruês, bichos-preguiça, ouriços, tucanos, pica-paus, pacas, capivaras, caititus, quatis, macacos grandes e micos, trazendo riscos para a população e para os próprios animais.

A responsabilidade de acompanhamento dessas ocorrências é da empresa Bahia Mineração (Bamin), que avança em ritmo acelerado com as obras do Porto Sul.
Região das obras do Porto Sul, em Ilhéus-BA. Foto: Reprodução CTP.

No entanto, a Bamin encerrou o contrato com a Hydros, terceirizada que era responsável por esse acompanhamento. Enquanto isso, a equipe de consultoria ambiental da obra está reduzida, fazendo com que a quantidade de funcionários que trabalhem na tarefa de monitorar os animais seja insuficiente diante do avanço da supressão vegetal. O descaso com a preservação e o manejo da fauna só escancara ainda mais o caráter destrutivo da mineração.




Comissão Pastoral da Terra – CPT apóia, acompanha e assessora os povos da terra e das águas e lhes presta um serviço solidário de caráter pastoral.



Comments


bottom of page