RIO DO PEIXE - A LUTA CONTINUA

Palito das piabas


Um açude que, quando cheio, tem 3 léguas de lâmina d’água, obra do governo federal nas ações contra a seca. No tempo em que foi construído ficava entre os municípios de Jacobina e Queimadas. Hoje, Capim Grosso, emancipado de Jacobina, absorveu a maior parte da área. Nós anos 60 no maior dos povoados, o Rio do Peixe, na Cabeceira da Ponte da beira do Açude tinha uma grande feira na Vila que contava mais de 300 casas.

Camponês em marcha. Foto: Mateus Britto

Nas proximidades do lago, terra boa para o plantio e pra criação também, nas margens tomate, pimentão, melancia, hortaliças, pequenas irrigações. Peixe pra dar de pau! Enquanto os ribeirinhos prosperaram em minifúndios e áreas comuns pras criações, pelas bandas de Queimadas avançou com imensa violência e usura um empresário e deputado estadual, um tal de Theócrito, proprietário de uma fábrica de colchões com incentivos governamentais lá pras bandas da capital. Anexando posses e expulsando as pessoas auxiliado pela rede de poder local, estadual e federal, a força do seu mandato e as relações políticas de um partidário da ditadura militar, o dinheiro que comprou escrivães, juízes, delegados, a jagunçagem particular e policial, a engrenagem opressiva sufocou a resistência camponesa. A posse não foi retirada passivamente, homens valentes tombaram, ignoraram os perigos e a desvantagem e peitaram, mas a luta sempre foi desigual, era o mundo contra aquele povo.

Estive lá pela primeira vez no ano de 2000 numa reunião pra discutir a desapropriação da área, tinha mais de 500 pessoas interessadas: remanescentes que moravam próximo em Capim Grosso, mas gente de Caen, Jacobina, Capela do Alto Alegre, Nova Fátima, São José, Gavião e Quixabeira. Na assembleia a minha proposta de ocupação imediata foi derrotada, a proposição da CPT através de um padre era que o certo seria seguir os caminhos legais, encaminhar documentação pro Incra e esperar o decreto.

O tempo mostrou o erro dessa decisão, nessa demora surgiram coisas escabrosas no processo, inclusive o recebimento de notificação pelo finado, certidões suspeitas e corpo mole do governo.

Depois de certo tempo o pessoal organizou um acampamento na Cabeceira da Ponte, por um tempo houve uma curta ocupação, mas o resultado final foi a desmobilização. Mas, o caso nunca foi esquecido, para algumas pessoas é questão de vida, resgatar a luta de seus antigos e vez por outra tem umas conversas sobre o assunto. Estou sempre a apoiar, uma luta que também é minha.


*Publicação original em: https://prosiado.blogspot.com/2021/12/rio-do-peixe-luta-continua.html?m=1